Connect with us

Colunas

Criação do Livro Démodée e a Indústria de Peles

Suzy Hekamiah

Publicado

on

Parte 1

O processo do meu livro Démodée se deu a partir da minha visita a uma antiga tecelagem durante o curto tempo que cursei algumas disciplinas de Moda na Universidade de Caxias do Sul.
Era inverno, e uma forte neblina encobria os campos e as casas antigas da região do interior da Serra Gaúcha. Era apenas possível ver os telhados das casas centenárias com características europeias.
Todos os estudantes estavam curiosos para conhecer o processo da fabricação de lã e levavam em suas mãos celulares para fotos e um caderno para anotar cada detalhe que viriam a conhecer. Eu não era diferente e fotografei muito aquele dia. Porém, ao sentir o cheiro forte e enjoado dos produtos químicos para limpeza e tingimento das lãs, eu tive um insight de como aquele lugar podia ser o cenário perfeito de uma história de terror. E eis que meu livro chamado Démodée começou a criar forma.
Os cheiros, a História, o cenário… Foram cruciais para ativar a mente de uma escritora que ama detalhes. Mas eu precisava de um plot (a parte principal da história).
Comecei os rascunhos do livro, a criar o psicológico da estilista e personagem principal da história ( A Madame Christina) e assim entrando na mente de um psicopata eu lembrei da indústria bilionária que encobre milhões de mortes e sofrimento dos animais: A fútil indústria de Peles.

Eu carrego como lema que aquilo que fazemos hoje sempre refletirá no amanhã. E ninguém pode pensar em salvar um lado e oprimir o outro. Em uma guerra, há aliados e inimigos. Mas quando atingimos inocentes, que não escolheram na linha da morte pelos prazeres de um coletivo, isso não é normal. Isso é psicopatia pura.
É insano colocar vidas inocentes pela ganância de outros povos, como no caso: A raça humana. Sempre foi insano para mim que o mundo não tenha empatia. E a partir do momento que você tem consciência que o outro está sofrendo e não faz nada, quem realmente é você? Quem somos nós quando sabemos que provocamos o sofrimento e não fazemos nada? Eu me refiro a isso em qualquer parte da vida; Seja em relacionamentos,  família, amizade… Nós sempre estamos num mar cheio de ondas de emoções, mas não pode nos faltar ética em meio a um coletivo. Para se fazer um casaco de pele de tamanho médio são necessários: 100 chinchilas, 30 coelhos, 27 guaxinins, 11 raposas e diversos outros animais!
Tamanho absurdo também expande a indústria de pele para de móveis, artigos de luxo e automobilista.
Felizmente a indústria da Moda evoluiu e hoje já são encontradas muitas peles sintéticas e com mais durabilidade, térmicas e sustentáveis que as peles de animais. O ser humano evoluiu muito, mas ainda traz resquícios pré-históricos em comportamentos do dia-a-dia e todos esses comportamentos refletem não apenas nas relações diárias e próximas, mas em como tratamos o meu novo livro é uma crítica ao consumo de peles mundiais e como condenamos as futuras gerações, ao condenarmos a vida dos animais.

Na semana que vem eu responderei algumas perguntas de leitores sobre meu novo livro e qualquer assunto relacionado ao tema dela. De você quiser fazer algum comentário ou pergunta,  mande para suzyhekamiah@gmail.com

Continue Reading
Comente

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Tendência

Copyright © 2021 Jornal do Povo RS