Jornal do Povo

Poesia e Reflexão – 18/05/2020: Corações descompassados

Tanto o amor quanto as paixões são movidos por uma música e as relações seguem conforme ela, sem perder o ritmo. É uma dança, dois pra lá… dois pra cá…
Mas quando alguém foge ao compasso? Aí a canção começa a perder a força e a dança acaba.
É como chegar na beira do mar, um decide entrar e mergulhar profundamente, o outro fica observando… molha os pés, sente que não está preparado para se molhar naquelas águas.

Na maioria dos relacionamentos existe aquele que vai sair machucado, o outro, talvez nem tanto. Se torna engraçado porque em algumas situações aparece o vilão e o mocinho, cada um com a sua versão dos fatos.

A questão aqui é a seguinte: Quem fica sente sente saudades, se deprime, faz perguntas. Quem vai, em alguns casos sente um alívio, respira… Existem diversos tipos de pessoas e comportamentos dentro de uma relação, isto poderá levar ao fim ou não.
Complicado conviver com alguém que está apenas de corpo presente. Que partiu há muito tempo, mas que está ali para agradar aquele que insiste em algo que não tem como dar certo.
Embora sejam diferentes, vejo amores e a paixões como se fossem aves, mas não presas em gaiolas e alimentadas nos mesmos horários todos os dias. Aves livres, que sentem o vento bater no rosto, que fazem ninho, se amam, mas que voam.

Não temos como medir o sentimento do outro e nem como prender as pessoas ao nosso lado. Seria uma ação egoísta. Deixe o pássaro voar e aprenda com isto. O voo de quem vai é um aprendizado para àquele que fica. Não se desespere porque uma relação chegou ao fim, agradeça.

Agradecer? Sim, tudo na vida tem um porquê, uma razão. As relações são como um quebra-cabeças, você não vai conseguir encaixar uma peça no lugar errado. A pessoa “errada” não fará morada no seu coração, ela irá te preparar para quando a certa chegar. Cair e levantar dentro de um relacionamento também faz parte do nosso processo evolutivo.

Evolua, lave a sua alma. O amor é um sentimento puro e precisa florescer em um local limpo. E as paixões? Ah, elas nos ensinam tanto. Qual a diferença entre os dois? A paixão é um misto de inverno e verão. Já o amor, ah, este consegue unir as quatro estações.

Romila Amaral

Romila Amaral

É estudante de Jornalismo da UCS, natural de Caxias do Sul (RS). Apaixonada por poesia e literatura, aos oito anos começou a recitar poemas e não imagina a sua vida longe dos versos. Acredita que o jornalismo e a poesia podem mudar o mundo e a vida das pessoas. Afirma que são a voz daqueles que muitas vezes não podem falar. Os dois se completam. Como declamadora já ganhou alguns prêmios no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina.



Publicidade

Escreva um comentário

Siga-nos

Estamos também nas Redes Sociais. Segue a gente lá!!