Connect with us

Cultura

Trabalho em destaque: GRUPO BONECOS DA MONTANHA

Redação

Publicado

on

teatro de bonecos

Eu, como jornalista, canelense e apreciador de todas as ações culturais, acabo sempre me empolgando com as lembranças da minha infância. Canela, de uma forma bem oportuna, está contemplada com uma população qualificada, em boa parte, seja como plateia, seja como artista. Na minha época de escola, desde os anos iniciais, já tinha contato com festivais de teatro e de dança. Mas, o teatro de bonecos marcou muito. Acredito que o potencial dos artistas, sobretudo, dos bonecos que ganham vida, despertam muito a nossa imaginação. Por isso, chamo ao palco… Digo, trago um pouco do trabalho do Grupo Bonecos da Montanha e seus respectivos bonequeiros.

Grupo: Bonecos da Montanha Bonequeiros:
Nelson Haas e Beth Bado (Nelson Roberto Haas e Elisabeth Bado)

Idade, Cidade, Área:
Temos 50 e 49. Residimos em Gramado, RS há 21 anos. Atuamos mundo afora, já apresentamos em diversas cidades do Brasil, América Latina, Europa e Ásia.

O que é cultura para nós?
Cultura são todas as tradições e costumes de um povo. Sua comida, música, artes, jeito de ser, comportamento. Cultura é o que nos caracteriza enquanto grupo social.

Como despertamos para as artes (pessoal e profissionalmente)?
Nelson – aos 18 anos já era frequentador das coxias teatrais, envolvido com produção musical, artes e literatura. Segui na produção até conhecer o Teatro de Bonecos e encontrar nesta arte um caminho de expressão pessoal. Desde os 20 anos até o momento é o que faço pra viver. Beth – comecei pequena dançando, depois na escola conheci o teatro e me encantei. Mas somente aos 30 anos tomei contato íntimo com o Teatro de Bonecos e iniciei minha carreira profissional na arte.

Como vocês percebem que as pessoas, de um modo geral, entendem e consomem cultura?
Nossa sociedade vive um momento ímpar, a cultura mais do que nunca esteve presente na vida das pessoas (ouvir música, cozinhar uma comida que gosta, assistir o Carlão nas redes…) Com a pandemia e o “ficar em casa”, as pessoas tiveram contato com outras formas de expressão artística além daquelas comumente conhecidas e vendidas pelo mercado cultural vigente.

Como está o mercado de trabalho das artes em nossa região?
Aqui onde vivemos, Região das Hortênsias, as artes tem incentivo através dos eventos e, com a pandemia, este mercado parou. Muitos colegas produtores, técnicos e afins estão passando por grandes dificuldades financeiras pois toda geração de renda desta cadeia produtiva parou. É um momento delicado.

Que efeitos a pandemia provocou e provoca nas artes?
Podemos falar da nossa área. Com a paralização dos eventos aqui na região e ausência de espaços culturais como salas, teatros e espaços abertos para apresentações, o “teatro presencial” há mais de um ano não ocorre. Houve a necessidade de aprendizado imediato de comunicação com o público através das redes sociais. Houve a necessidade de aprendizado do Boneco no Vídeo (que é muito diferente do presencial, tecnicamente falando). Então a pandemia trouxe muito aprendizado e superação para nós. Por outro lado, o público também sentiu necessidade de estar em contato com o artista via redes sociais e isto aproximou o público do artista. Hoje o público conhece os “bastidores”, o dia a dia da produção. A necessidade de ver coisas bacanas fez com que o público procurasse alternativas para aliviar o estresse e a tensão destes tempos difíceis e, também, busca coisas para fazer em casa. E ele, o público, encontra via internet seus “queridos”.

Qual a importância da Cultura em tempos de pandemia?
Arriscamos dizer que ela “salvou” a maioria de nós. Procurar “aquela” receita na web para cozinhar para os queridos; ouvir a música que se gosta, assistir o filme ou série que nos agrada… Enfim, consumimos mais cultura do que antes! Ao mesmo tempo que a pandemia nos afastou fisicamente, ela nos aproximou do que gostamos, da nossa identidade cultural. E a internet foi o meio que proporcionou este encontro.

Tem algum trabalho que gostaria de divulgar?
Ano passado iniciamos o canal do Boneco Carlão no YouTube: http://youtube.com/c/BonecoCarlao . O canal tem o intuito de levar conteúdo e assuntos bacanas para os lares. Lá, você encontra webseries curtas de 5,6 episódios sobre variados temas como Meio Ambiente, História do Teatro de Bonecos entre outros. Neste momento, está no ar a webserie “O que Fazer em Casa”, onde o grupo dá dicas de atividades para fazermos em nossas casas. Há também as lives do Carlão, todas as terças no instagram (@bonecocarlao), onde comentamos sobre o último episódio e conversamos diretamente com o público. Uma maneira de estar próximos e em contato direto com os amigos, público e fãs. Seja um Apoiador Cultural e Mecenas do Bonecos da Montanha (PIX): 54991897927 Atualmente trabalham no grupo 4 profissionais: 2 bonequeiros, 1 responsável pela captação de imagem e som e 1 técnico de som e luz e transmissões via redes. A renda gerada por estes apoios auxilia os quatro integrantes e suas famílias.

Algo que não foi abordado…
É necessário apoiar toda e qualquer ação para auxiliar a cadeia produtiva da Cultura neste momento. Muitos iluminadores, por exemplo, não tem mais shows e eventos para iluminar… Como podemos nos apoiar? Como garantir a sobrevivência destas famílias? Há uma quantidade enorme de pessoas envolvidas na produção de um show e atualmente 90% destes profissionais estão sem trabalho e renda. Em 2020 houve a Lei Aldir Blanc que socorreu muitos, mas não há como atingir todos. É necessário que tanto o poder público quanto o cidadão olhem com carinho para este mercado.

Por Jornalista Lucas Brito
@jornalista_lucasbrito

Continue Reading
Comente

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Tendência

Copyright © 2021 Jornal do Povo RS